Notícias

Procon Tocantins orienta consumidor como economizar na hora de comprar os itens da ceia e presente de Natal

18/12/2019 - Thaise Marques/Governo do Tocantins

Com a proximidade do Natal o que não faltam são ofertas para atrair os consumidores na hora de comprar um presente ou produtos da ceia. As lojas e supermercados oferecem diversas opções e promoções. O Procon Tocantins além da pesquisa de preço realizada com produtos da ceia natalina também orienta os consumidores sobre seus direitos.

“Todos devem, levar em conta a disponibilidade financeira. O planejamento é o maior aliado do consumidor para não se endividar ou ficar no vermelho”, informa o superintendente do Procon Tocantins, Walter Viana.

Antes de comprar os presentes ou produtos da ceia de Natal, o gestor destaca que, é recomendável que o consumidor faça uma lista dos itens necessários. Além de estarem atentos aos estabelecimentos que apresentam bom preço e facilidades na hora da compra. “Como, por exemplo, proximidade, estacionamento, descontos, promoções e opções de formas de pagamento, entre outros”, ressalta.

Outra dica importante é na hora escolher quais alimentos irão para o carrinho de compras. O consumidor deve observar as informações que constam da embalagem: data de validade; lote; identificação do produtor/fornecedor; peso; medida; ingredientes; características nutricionais;  Serviço de Inspeção Federal (SIF). “E não deve esquecer que se o alimento for de origem animal e se contém ou não glúten, no caso de alimentos industrializados”, informa.

Informações importantes

O Procon Tocantins alerta que o consumidor deve efetuar uma cuidadosa pesquisa de preço, avaliando sempre a relação preço e qualidade, ficar atento às informações contidas nos rótulos, como peso, data de fabricação, prazo de validade e condições de conservação.

O Procon Tocantins também chama à atenção para as possíveis propagandas enganosas. É válido estar atento as promoções divulgadas pelos estabelecimentos comerciais. As mesmas devem ser cumpridas, por isso é aconselhável guardar os folhetos e anúncios publicitários que comprovem as ofertas.

“Ao passar os produtos pelo caixa, se houver diferença entre o preço registrado e o que estava informado na gôndola, prevalece o menor. O consumidor não deve ser lesado”, explica o gestor.

Encontrou algo errado?

O gerente de fiscalização, Magno Silva, destaca que as denúncias podem ser feitas a qualquer momento. O consumidor deve fazer contato com o Procon por meio do Disque Procon 151, ou por meio do Whats Denúncia no (63) 99216-6840  e também com os  núcleos nos  endereços  disponíveis no link. “Para formalizar a denúncia é preciso checar bem as informações, apresentar comprovantes e fotos para subsidiar as ações de fiscalização”, explicou Silva.